quarta-feira, dezembro 29, 2010

Do teu sorriso


Empunho,
sem o saber,
uma Luz,
que não me pertence,
nem meu fardo é.

Qual incandescência,
ilumina a ausência,
relativiza a presença,
absoluta, total
e omnipresente.

Qual luminária,
faz erguer no horizonte
a tangibilidade que sou,
em noite iluminada,
pela Lua cheia,
que não se põe.

Luz,
multicolor,
que mesmo o vagar do tempo
contempla na alma,
do teu sorriso.

2 comentários:

VANESSA NOLASCO disse...

Sensualmente belo!!!!

bju, Vanessa

Rogério Freitas Sousa disse...

Grato pela simpatia. bjs.

seguidores