sábado, dezembro 26, 2009

Só sentir



Não sei nada.

Porque não sei.

Porque não posso saber,

Simplesmente.


Sentir?

Penso sentir.

Mesmo o que não sei,

mesmo não sabendo que sinto.

E mesmo, por vezes, sabendo

que nada igualmente sinto.


Mas nada não sei.

Nem tão pouco

que estar ausente é sentir,

que presente foi ontem

e que futuro é hoje.

E que somos,

afinal,

só sentir.

2 comentários:

Paula Raposo disse...

Muito belo, Rogério!
Um bom ano novo para ti. Beijinhos.

Rogério Freitas Sousa disse...

Olá, Paula.
Agradeço, uma vez mais, o comentário, sempre assíduo e presente.
Desejo-te (permita-me...) um excelente 2010. Cheio de Paz.
Bjs.

seguidores